Se a sorte lhe sorriu

Hoje me peguei filosofando sobre o ato de “contagiar”. E vale para contagiar pessoas, se auto contagiar e e ser contagiado. Para o bem ou para o mal. A escolha é nossa.

Ensaio

Comecei o dia fazendo algo que eu não gosto nem um pouco: passei duas horas e meia no salão de beleza. O lado bom: saí apresentável para a reportagem da Band. Assunto? Meu aplicativo do Guia Pet Friendly.

Primeiro ato

Chamei um táxi. Coloquei errado o destino final (sem saber, é claro), entrei e confirmei com o motorista: Lorena 1285. Infelizmente, o motorista não prestou atenção no que eu disse, apenas concordou e resolveu seguir o waze. Eu resolvi conferir meus emails pelo celular, me desliguei do percurso e quando percebi estava “quase em Porto Alegre”. Imediatamente, o alertei. Ele parou o carro ficou olhando a rota na tela do App… Impaciente, resolvi agir. Logo, descobri que estava indo para o La Pasta Gialla errado.

Evidente que foi muito mais fácil culpar o motorista distraído do que assumir o meu erro.  Bem, vamos em frente, atualizei o endereço. E, claro que peguei o maior trânsito. Fiquei irritadíssima.

“Que feio, Cris Berger. Contagiaste o pobre motorista com tua rigorosidade e mau humor. Pessoas erram. Tu erraste e ele não acertou.” assinado subconsciente.

Só não me condeno ao fogo eterno porque ao ter a oportunidade de fazer a avaliação da corrida, optei em me calar. Não joguei uma, duas estrelinhas e ferrei com a pontuação do cara. Pulei esta parte.

Segundo ato

Cheguei no La Pasta dos Jardins ainda contrariada. Pensei que eu teria tempo de almoçar, mas a equipe da Band estava adiantada. Me apresentei sem grande entusiasmo, meu sotaque foi notado e logo veio a pergunta: “tu és Grêmio ou Inter?” Sei lá porque, mas este assunto me cansa. Respondi: não sou nada e quero que todos se ferrem. Odeio a rivalidade  entre estes dois times e acho um porre a troca de insultos que acontece em tempos de campeonatos e decisões importantes. Em tempo: na noite anterior o Grêmio ganhou a Libertadores.

“Para que responder desta forma, Cris Berger?” Mais um ponto contra no placar”. 2 X 0.

Terceiro ato

A gravação levou quase três horas e foi ó-ti-ma. Eram cinco pessoas na equipe e todos mandaram bem no quesito contagiar positivamente. O diretor, o repórter, o câmera, o carinha do som e da luz. Me senti “importante” e fiquei feliz pelo meu aplicativo ser pauta do programa Dia Dia da Band. O papo com o Érico foi bom. A direção do Claudemir, excelente. E a equipe estava claramente empenhada em fazer um bom trabalho. Assim dá gosto de participar.

A Ella, como sempre, se comportou perfeitamente bem. E, olha, gravar não é fácil. As cenas precisaram ser repetidas. Ter paciência é fundamental. Não pode ter interferência de som da rua. O texto tem que fluir redondinho. Eu errei só uma vez e a sinergia com o Érico deu certo.

Quarto ato

O mau humor do primeiro ato era coisa de um passado longíquo. Graças aos guris da Band, eu estava leve, feliz e como disse antes: me senti valorizada e radiante por ter um App tão bacana. “Parabéns, Cris Berger, fizeste um bom trabalho e olha aí os frutos”.

Me despedi dos guris e resolvi almoçar. Oba, finalmente eu ia comer. A ideia inicial era sentar no terraço, mas optei pela calçada. O Enzo, dono desta casa do La Pasta e amigo, me deu o prazer da sua presença.  A partir deste momento, o “contagiar tomou forma perfeita”. Ele me contou como as coisas iam bem. Lembro das suas palavras: achei o sócio certo, o produto certo e a equipe certa”. Vibrei! Fiquei tão feliz em escutar um bom relato em tempos em que todos reclamam (com razão) da crise e estagnação econômica do país. Aquelas palavras me deram um tremendo ânimo!

Me abaixei para colocar água no potinho da Ella quando escuto: “vim aqui tirar uma foto para o meu instagram”. Achei divertido, quem iria lá só para fazer isso? Senhoras e senhores, ninguém menos do que Samuel Rosa saiu do carro. Sim, o senhor Skank foi almoçar no restaurante e chegou brincando com o Enzo. Ele parou na nossa mesa e fomos apresentados.

Minutos depois, saiu de dentro do restaurante e sugeriu uma self com o Enzo. Ahhh não aguentei e pedi para tirar uma foto dele com a Ella. Yes, foto fofo feita e postada no IG @avidadaella. Antes de ele ir embora, o presenteei com a revista Explore! Pinheiros, que acabo de fazer sobre o bairro de Pinheiros. Cool.

A conclusão

A gravação com a Band, o papo com o Enzo e o encontro com o Samuel haviam sido divertidos e inusitados. Eu tinha sido contagiada com uma energia tão bacana que senti vergonha do meu mau humor do ato um. Grande coisa que o motorista e eu erramos o caminho, pegamos trânsito e eu não almocei antes da gravação.

E ainda devorei o pudim que eu AMO!

Na verdade, que bom. Se não fosse assim o timing não teria dado certo. Prometo prestar atenção nos meus atos para que as pessoas ao meu redor possam ter um dia tão bom quanto eu tive. Juro que prometo. E termino assim: Se a sorte lhe sorriu…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *