Genebra, Mandarin Oriental

Suíça, Genebra, Mandarin Oriental

Genebra é um lugar para morar, você vai sair de lá com esta sensação. E os motivos são muitos: qualidade de vida desponta na lista. Paisagens lindas ajudam a gente gostar dela, lugarzinhos gostosos para ver a vida passar sem a mínima pressa fazem parte do pacote (o que pode ser mais romântico do tomar um champagne ao entardecer, num resto-bar com velinhas, na beira do rio Reno num clima love is the air?), restaurantes para gostos requintados e lojas para bolsos fartos, o mundo das grifes está lá.

Genebra é uma cidade para se viver (por uns dias ou por anos) com dinheiro. Fique hospedado no Mandarin Oriental (além de estar nas margens do rio, possui o restaurante Le Sud que serve comida indiana assinada pelo chef Vineet Bahtia, o Rasoi que apresenta a proposta de ser uma brasserie comandada por Paul Bocuse, ao lado do check in está uma adega que nos faz salivar e perto dela um convidativo bar para um drink de boas vindas).

Coisas para fazer a pé na companhia de um guia (fui lá que escutei a frase: “meu trabalho é dar vida às estátuas”, ditas pelo Sylvian de Pury – sylvaindepury@bluewin.ch, melhor guia que eu já tive), visita ao Museu da Cruz Vermelha, se “atirar” no chocolataria Gilles Desplanches (na cidade velha), almoço no Arthus (peça uma mesa ao ar livre, mas namore as poltronas do lado de dentro), visite o bairro de Carrouge (uma vila no estilo italiana lindinha), passe um par de horas namorando no gramado do Parc de Bastion, faça umas comprinhas na rua Corraterie (lembre-se o relógios suíços são os melhore do mundo), viste a sede da ONU (e veja as crianças brincarem na fonte que tem na frente do prédio, uma delícia), assista um espetáculo no Teatro do Ópera, suba na montanha de Savèle por um teleférico de onde se tem uma vista incrível da cidade, acabe o dia em volta do rio Reno curtindo o Jet Deau (se inspire na foto ao lado). Na Cidade Velha fique um dia inteiro (passe pela Catedral de Saint Pierre, pelo distrito de San Gervasio, pela Galerie Temoin, pela Livraria Librarie Ancienne Antique, pela estátua de Pichet de Rochemont e depois se deixe ficar em um dos cafés e restaurantes instalados pelas praças e ruelas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *