Amazônia: Grand Amazon

Amazônia, aventura

Esta viagem tem gostinho de aventura. Destino: Amazônia. Um nome que requer respeito, ela é a maior área verde do planeta! A natureza é quem seduz, com clima caribenho, são botos, piranhas, jacarés, aves e o mistério da selva… Os dias se passam a bordo do cruzeiro marítimo Grand Amazon pelos rios Negro, Solimões e Amazonas.

O cruzeiro parte de Manaus, capital do Amazonas, onde a temperatura não dá trela, chegando a 40 graus. Na mala leve protetor solar, repelente, chapéu, óculos de sol, roupa de banho, uma bota para caminhadas na floresta e um modelito para os jantares.

Você pode escolher por viagens de 3, 4 ou 7 noites. Durante o dia há diferentes programações e muitas delas começam cedo devido o calor. Seis da manhã saída (em barcos menores) para observação de pássaros, depois do jantar ver jacarés, durante o dia pesca de piranhas, caminhadas pela floresta, visita a aldeia de índios e banho de rio no entardecer… Se tem piranha e jacaré? Sim, mas eles juram que não há perigo. Vale acreditar e curtir um mergulho no rio que é uma experiência inesquecível, eu diria mais: o melhor momento da viagem! A integração com a natureza é de emocionar!

Dentro do barco, gaste boa parte do seu tempo na cobertura, há piscina, jacuzi e espreguiçadeiras, um belo convite a horas do mais profundo relax! O serviço é muito atencioso, na verdade, ele é surpreendente. A equipe de guias é ótima! Funciona com all inclusive e a cozinha prepara bons pratos à base de peixes típicos: pirarucu, tucunaré e tambaqui.

Não se trata de um cruzeiro de luxo, os quartos são simples, mas com conforto. Pelo circuito interno passa bons e saudosos filmes. No meio do dia, dar um tempo para o calor, tirar uma siesta, namorar e ver um filminho é uma bela pedida.

Devido horário dos voos e saída do cruzeiro contrate um day use no Park Suites Hotel (vale curtir a piscina com vista para o rio Negro) e um city tour para conhecer Manaus com a Ecosight (visite o mercado de peixes e o Teatro Amazonas).

Dica da Cris: Quando anoitece a cobertura ganha um charme especial, a luz do crepúsculo é especialmente bonita nesta região do Brasil, vá para jacuzi com seu amor olhar as estrelas…

Machu Picchu

Peru, Machu Picchu, Sumaq, montanha

O sítio arqueológico de Machu Picchu, no idioma quíchua Velha Montanha, fica no Peru, a 2.400 metros de altitude, no Vale de Urubamba. É considerado Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco e em 2007 foi eleito como uma das Sete Novas Maravilhas do Mundo. Conhecida como a Cidade Perdida dos Incas foi construída no século XV e redescoberta em 1911.

A melhor hora de chegar é no amanhecer. Ver os primeiros raios de luz iluminar as ruínas é emocionante. O clima é de mistério. Saia a percorrer os templos, praças, terraços, santuários, mausoléus e com a ajuda de um guia (fundamental) busque entender o significado que cada um deles teve para uma das principais civilizações pré-hispânicas.

O povoado base para chegar à Machu Picchu é Águas Calientes (uma hora de carro do sítio arqueológico). Fica ao lado do rio Urubamba, está cheio de barraquinhas de artesanato e tem alguns restaurantes charmosos que você vai descobrindo pelo caminho. Num primeiro momento ele parece demasiadamente anárquico, a medida que você se dispõe a desbravá-lo começa a mudar de opinião.

Um pernoite em Águas Calientes é necessário (para quem quer acordar as cinco da manhã, pegar uma van e chegar a Machu Picchu com pouca gente – altamente recomendável). Uma bela alternativa de hospedagem é o hotel Sumaq. Os quartos são super espaçosos e decorados no estilo andino. Percebe-se um cuidado em oferecer conforto no melhor estilo, são travesseiros com fronhas de fibra de alpaca e cobertas de lã de ovelha. Entre as amenietes destaque para o KIT costura (o mais lindo e caprichoso que já vi). Um pequeno SPA oferece massagem, sauna e jacuzzi com hidromassagem e cromoterapia.

Dica da Cris: o menu degustação do Sumaq assinado pelo chef Rafael Piqueras (um dos cinco tops do Peru) vai entrar para um dos melhores da sua vida, os ricos ingredientes peruanos provenientes da costa, selva e serra compõem um cardápio primoroso com destaque para os peixes, batatas, milhos e raízes. O ceviche (peixe cozido no limão) é sublime.

Cânions: Parador Casa da Montanha

Rio Grande do Sul – cânions – Aventura

Os cânions emocionam pela beleza e forte personalidade de um dos cenários mais selvagens e dramáticos da serra brasileira. Eles ficam entre Santa Catarina e Rio Grande do Sul. A parte de cima pertencem aos gaúchos. A gente olha a ruptura causada pela separação dos continentes e pensa ter sido feita com uma faca, de tão retinha. São paredões que chegam a 1.500 metros de altitude. Nos dias límpidos se vê o litoral. A qualquer momento esperamos pela viração. Nada mais comum e esperado do que ver as nuvens chegando e tomando conta da paisagem, para no segundo seguinte sumirem como num passe de mágica.

O cânion mais urbano é o Itaimbezinho com trilhas delimitadas, lanchonete e estacionamento. Os mais selvagens são o Fortaleza, Malacara e Churriado. Para chegar ao Fortaleza a que se encarar uma estrada esburacada de 20 KM, quando chove o barro pede um 4X4. Já quem quer chegar no Churriado e Malacara deve encarar um trekking de 24 KM feito na borda dos cânions atravessando planícies e desfrutando de uma paisagem deslumbrante. Apesar da distância a caminhada é leve, nela é fundamental a presença de um guia, se perder é fácil, ainda mais quando bate a viração.

A pacata Cambará do Sul é a capital dos cânions. Há pelo menos um bom restaurante, o Casarão, que serve rodízio de galeto, polenta assada no forno com queijo, sopa de capelete, massas e buffet de salada orgânica.

O Parador Casa da Montanha é um hotelzinho charmoso que tem a proposta de ser um “camping de luxo”. São barracas de lona que parecem pequenos chalés românticos e ficam na beira de um riozinho. Para uma viagem a dois escolha a barraca com chuveiro no quarto e jaccuzzi na sacada (bem mais confortável). Apague todas as luzes e fique a namorar na sacada com a melhor das trilhas sonoras: o barulhinho do rio correndo…

www.paradorcasadamontanha.com.br

Namore com a melhor das trilhas sonoras: o barulhinho do rio correndo…

Ushuaia: Cilene del Faro

Argentina, Ushuaia, Aventura

O avião faz a curva para aterrissar, subitamente seus olhos encontram o imenso paredão branco, a cidade parece encravada nas montanhas, elas formam a Cordilheira dos Andes. Tratando de patagônia tudo se pode esperar num mesmo dia: sol, chuva, vento e neve (nos meses de inverno). A patagônia é dona de si. O mandamento número 1 é saber desfrutar de qualquer condição climática.

O Ushuaia, capital da Terra do Fogo, fica no extremo sul da Argentina. No verão se pode fazer trekkings pelas montanhas com dias mais longos. O outono é poético com as folhas avermelhadas. No inverno a estação de Cerro Castro atrai os amantes do esqui e snowboard, há também os centros invernais onde outras brincadeiras na neve são possíveis como andar de trenó puxado por cães haskies, patinar em lagos congelados, praticar o esqui de fundo (com esquis especiais) e andar de snow mobile (moto de neve).

A cidade em si não é linda, mas sem dúvida tem estilo, mesmo que levemente caótico. A rua principal é a San Martin. Você deve fazer um garimpo. Tiro certo: prove alguns chocolates e a cerveja artesanal Beagle (made in Ushuaia) na Tarte Sara (uma loja de chocolates que também tem espaço com mesinhas para lanches), tome o chá das cinco no Ramos Generales (uma espécie de padaria, bar e museu), decorada com móveis e objetos antigos, o chef é francês e faz pães maravilhosos e jante no Kaupé, a merluza negra e a centolla são divinas.

A uma quadra da calle San Martin, está o hotel Cilene del Faro. Se você procura extra charme e conforto peça pela suíte presidencial que tem terraço próprio. As demais (47) são confortáveis e espaçosas com cozinha americana. Há spa, sauna, salas de massagem e academia de ginástica. O hotel é completo em serviço, tem bom atendimento e não é pretensioso.

Dica da Cris: O ponto alto está no sexto andar num espaço perfeito para namorar, no entardecer peça um tinto e fique a curtir a chegada da noite, vendo as montanhas pelas paredes de vidro, de mão dadas com seu amor, numa clima à luz de velas.

www.cilenedelfaro.com.ar

O ponto alto está no sexto andar num espaço perfeito para namorar

Santa Catarina: Refúgio Ecológico Pedra Afiada

Santa Catarina, Refúgio Ecológico Pedra Afiada, aventura

Os cânions do sul do Brasil vistos da base são ainda mais imponentes. Eles ficam entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina. A parte de baixo faz parte do Estado catarinense. Somos um pontinho minúsculo diante da imensidão da mata nativa, dos paredões de 1.500 metros de altitude. Os cheiros, sons, a proximidade com a natureza nos deixam silenciosos, em estado de meditação.

Aos pés do grande cânion foi projetado o Refúgio Ecológico Pedra Afiada, o REPA, ele começou no casarão de cor vermelha onde oferece habitações simples com um banho quente, calefação e sacadinha. Com o passar do tempo algumas cabanas foram sendo construídas, já mais requintadas, para acomodar famílias ou um grupo maior de amigos. Para os casais “love is in the air” acabou de ficar pronta a cabana lua de mel com direito a jacuzzi e lareira.

Na sala com pé direito alto há uma lareira, sofás, muro de escalagem e o espaço reservado para o restaurante. O café da manhã e o jantar são servido em forma de buffet com comidinha caseira. Durante o dia há um cardápio a la carte. Não há outros restaurantes perto do Refúgio.

A noite é a hora de definir as atividades do dia seguinte, se pode escolher entre caminhadas por baixo dos cânions (Malacara ou Itaimbezinho), rappel, tirolesa, bóia-cross e passeios de quadricíclos. Qualquer atividade deve acontecer junto dos guias do REPA. Este é o grande diferencial da pousada: se empenhar na qualidade dos passeios. O amor pela natureza, e em especial por aquele ecossistema, se pode observar na equipe bem treinada formada por guias jovens, experientes e comprometidos.

Dica da Cris: No final da trilha da Cachoeira da Onça (20 minutos de caminhada), tem uma queda d’água que nos dias de chuva fica intensa, passe por detrás dela, a sensação é revigorante, você vai ficar totalmente encharcado apenas com as gotículas formada pela força d’água. Depois acabe o dia admirando o cânion Malacara, sentadinho numa das cadeiras de madeira que ficam no jardim, bem agarradinho a seu amor.

www.pedraafiada.com.br

Para os casais “love is in the air” acabou de ficar pronta a cabana lua de mel.

Santa Catarina: Pousada da Vigia

A pousada da Vigia fica no extremo norte da ilha de Florianópolis, sul do Brasil, cerca de 50 minutos do aeroporto Hercílio Luz. Ela foi projetada na antiga casa de veraneio do governador Celso Ramos. Em 1994 foi comprada pela família Perna, do Rio Grande do Sul, e desde então recebe visitantes nos seus dez apartamentos e duas suítes.

O que eu considero seu ponto altíssimo é o barulhinho do mar que se pode escutar dos apartamentos que tem sacada com vista para a praia, ela fica em cima das pedras. Em nenhum outro lugar eu escutei o som das ondas quebrando na encosta de forma tão forte, parece musiquinha de ninar aquele constante “chuaaa”. A sensação é de estarmos dentro do oceano.

Os apartamentos são simples. As duas suítes têem cobertura e jacuzi privativa. A sala da pousada tem um clima praiano, sofás coloridos, teto branco em V, uma prateleira com livros e filmes em DVD e uma boa seleção musical que toca constantemente.

De maio a julho acontece a Pesca da Tainha, o mar se enche de barquinhos, os pontos de vigia (daí vem o nome da pousada) são marcados pelos pescadores que ficam atentos aos cardumes e comunicam uns aos outros com sinais e apitos.

A praia da Lagoinha é de águas calmas, areia bem clarinha, com poucas casinhas rústicas de madeira do tipo “pé na areia”, no verão transformadas em bares, e alguns condomínios residenciais. Ela é uma praia familiar. No verão lota de turistas, no inverno é tranqüila, quase deserta.

Dica da Cris: assista o pôr do sol de dentro da jacuzi que fica no deque ao ar livre. Sugestão que vale para qualquer época do ano, pois ela pode ser aquecida até 37 graus, nenhum frio atrapalha. No cardápio do bar da piscina tem cerveja artesanal Eisenbahn e camarões flambados. Jante no bistrô que fica numa varanda com vista para o mar, mas chegue cedo, a hora que ele fica mais romântico e convidativo é no entardecer. As velinhas de cada mesa são acesas e o azul do crepúsculo é lindo. Você assiste a mudança da cor do céu de camarote, num total clima Love is in the air.

Ponta do Corumbau, Fazenda São Francisco

Brasil, Ponta do Corumbau, Fazenda São Francisco , praia

No extremo sul da Bahia, fazendo divisa com o Espírito Santo está a Ponta do Corumbau, um pedaço de praia super exclusivo, primeiro por ser quase desértico, depois por ter pousadas de luxo, são quinze quilômetros de areias brancas, mar com águas cristalinas e recifes que na maré baixa viram piscinas naturais 10 KM mar adentro.

Pouca interferência humana houve na geografia desta região, a antiga vilinha de pescadores segue lá, firme e forte. Porto Seguro está distante 50 KM pela orla. Uma rua de terra batida separa a praia dos coqueirais, olhando com mais atenção se pode perceber que no local onde foram Fazendas de Café hoje são pousadas de charme. Uma delas é a Fazenda São Francisco, com 167 hectares, no qual oferece apenas oito habitações, duas suítes e seis bangalôs, com sacada, rede e vista para um generoso jardim cheio de coqueiros.

Na beira da praia panos brancos, estendidos e presos em quatro bambus, cumprem o papel de guarda sol, abaixo uma espreguiçadeira. É genial, espia a foto ao lado. Ainda pelo jardim há bastante vida e beleza, o gazebo de massagem é um convite à horas do mais puro relax, a piscina com fundo negro e o deque com espreguiçadeiras são outros motivos para não fazer nada na maior classe.

Os peixes e frutos do mar são pescados na vila de Corumbau e chegam fresquinhos à mesa. Apesar de se estar numa região de difícil acesso uma carta com 50 rótulos de vinhos e espumantes está à disposição dos apreciadores.

Para desbravar a redondeza a dica é se locomover pelo mar ou pela terra. De escuna se pode navegar até a praia do Espelho, vizinha de Trancoso, e de buggy ir conhecer a aldeia dos índios Pataxós onde se pode comprar artesanato e passear em Caraíva.

Dica da Cris: a noite é acendida uma fogueira dentro da pira, no meio de um espaço ao ar livre, com sofazinhos e almofadas. Perfeito para você curtir um clima de romance com seu amor.

Santa Catarina: Ponta da Piteira

Brasil, Praia de Ibiraquera, SC, praia/charme

Em Santa Catarina, na praia de Ibiraquera, cerca de uma hora e meia de Florianópolis ao sul, está a Hospedaria Ponta da Piteira, um lugar para chegar e ficar em estado de contemplação. A vista é tão hipnotizante que é difícil desviar o olhar.  A composição que une lagoa, o mar, as montanhas e jerivás é harmônica e transmite uma deliciosa sensação de paz. De onde você estiver, seu olhar vai buscar por esta idílica paisagem. Ela é um imã.

Da cama do seu quarto você poderá contemplar as estrelas, da jacuzi com vista para o mar, da varanda privativa da sua suíte, da piscina aquecida com raia de natação, do deque, da Casa de Estar, do Bistrô, de qualquer cantinho a natureza se fará presente. Junto dela o charme, mimos, cuidados e pequenos luxos compõem a proposta desta hospedaria de ser um refúgio para casais em clima de romance e total paixão.

Tudo é projetado para dois. São apenas três suítes, super espaçosas, com mais duas à caminho. A exclusividade é ordem suprema da casa. A privacidade visual é total. Um lugar para amar sem reservas.

Os detalhes podem ser vistos no delicado café da manhã, servido em forma de finger foods, mini quiches, crepes lorraine, trouxinhas de queijo brie, bolinhos, Nescau batido, sucos naturais com direito a um forninho elétrico para cada mesa. Durante quatro dias o menu é mudado e o que vai ser servido no dia seguinte é decidido na noite anterior. Da horta vêem os verdes, legumes e frutas.

A construção foi feita com móveis de demolição e pedras gres. Na decoração estão objetos queridos e simples, o clima é despojado, nos faz sentir à vontade, o conforto é marcante.

Pelas redondezas há um dos lugares mais procurados para a prática de esportes náuticos, a praia de Ibiraquera e da Luz são perfeitas para o kite e Wind surf devido a corrente de ventos. Dunas e praias com areias claras completam o visual. Passeios de caiaque pela lagoa são outra bela opção para curtir dias de relax.

Dica da Cris: durma com as cortinas abertas, no meio da noite espie as estrelas, amanheça com a luz do nascer do sol e deslumbre-se diante de um cenário nada menos do que fascinante. Namore, namore, muito!

Nova York: The Surrey

Estados Unidos, Nova York, cidade

Nova York deve ser mordida em pedacinhos. A cidade “that never sleeps” é dinâmica. Uma fonte contínua de criatividade. Nada seria sem o Central Park. Ele é mais do que uma linda área verde, me parece a alma e ponto de equilíbrio desta pulsante metrópole. Você pode freqüentá-lo para namorar, fazer exercício, escutar uma apresentação de jazz, fazer piquenique, remar numa canoa, fotografar a cidade por ângulos diferentes, cortar caminho, comer cachorro quente e lagartear num dos gramados…

Depois você pode viver a NY do Soho ,Village, Tribeca, Meatpaking District, os bairros cools, com os prédios com as escadas de emergência para fora, pé direito alto, tubulação a mostra. Só dá gente descolada! Jantar no Balthazar num dia, no Spyce Market no outro, ver o sol morrer no rio Hudson, deitado numa espreguiçadeira no High Line Park, passear pelo Mercado de Chelsea, visitar uma loja da Macstore a qualquer momento, ela fica 24 horas aberta.

Se alimentar de cultura, se perder nas galerias de arte, nos shows da Broadway e off Broadway, nos museus, curtir as pequenas apresentações que acontecem pelas esquinas, metrôs, casas noturnas. Se deleitar na livraria Barnes and Noble, na Macys com andares que não acabam mais de roupas, cosméticos e promoções.

De repente surge a ideia de fazer NY sua casa por uns dias e você resolve escolher um bairro charmoso, descobre que o Upper East Side é bem frequentado e vizinho do Central Park. Daí você reserva uns dias no The Surrey que já foi moradia de JFK e Bette Davis, isso antes de ele virar um hotel boutique e ser decorado por Lauren Rottet. Seu quarto é tão espaçoso que você tem a sensação que ali poderia viver, no banheiro os cosméticos levam a fragrância de Laura Tonatto. Leve o café da manhã para seu amor na cama, direto da cozinha de Daniel Boulud, que tem um dos seus restaurantes dentro do The Surrey e atende os hóspedes. Precisa mais?

www.thesurrey.com

Leve o café da manhã para seu amor na cama, direto da cozinha de Daniel Boulud.

Buenos Aires: Legado Mitico

Calle Gurruchagas con Costa Rica, você explica para o motorista de táxi. O carro deixa as grandes avenidas da capital portenha e entra no coração do bairro de Palermo Viejo. Pela janelinha é possível ver o prédio pequeno, de dois andares, com uma porta negra, destas antigas. Há uma campanhia. Logo é aberta a porta do hotel Legado Mitico, um nome composto e suntuoso que acomoda apenas 11 habitações.

O encanto é imediato. Uma copa de vinho é oferecida durante o check in. O living fica ao lado, onde acontece o café da manhã, deixe-se afundar em um dos sofás e fique a bebericar seu tinto enquanto os olhos são hipnotizados pela grande prateleira de madeira escura que ocupa cada centímetro da parede. Chegando mais perto observe os livros e objetos que explicam o nome do hotel que é inspirado em heróis e personalidades argentinas. Eva Perón, Che Guevara, Carlos Gardel, Mafalda entraram para o hall.

Das prateleiras as memórias sobem para os quartos. No quarto “O Libertador” o banheiro é um luxo, a pia fica em cima de um móvel de época. Na parede dois lampiões estão em cima de pequenas prateleiras e dentro deles há velinhas. Este é um hotel de detalhes. Mescla o moderno com o clássico. Investe no conforto, tem jeito de casa.

O café da manhã merece entrar para os autos. Em bachelas de prata estão os ovos mexidos e cogumelos refogados. Media lunas, empanadas, pães caseiros, queijos são repostos a todo instante. O acabamento do sache dos chás, de mix de ervas, com bolinhas é um mimo. Quem se apaixonar pode comprar um caixa deles na recepção.

Vale passar o dia zanzando pelas ruas de Palermo, repleto de lojas de roupas, decoração, chás, papelaria e vinhos. Este miolo de Palermo é feito de casas da década de cinquenta onde se instalaram restaurantes da moda em meio a ruas arborizadas. Soho em Nova York? Sim, você, fatalmente fará esta comparação. Palermo é um pedacinho latino da big Apple.

Dica da Cris: reserve um final de tarde para curtir “a dois” o pequeno jardim na área externa, ele tem sofazinhos e um lindo paisagismo. Peça um tinto e deixe as horas correrem livremente… a poucos metros, em todas as direções, há uma gama incrível de bons restaurantes. Depois peça uma dica para o concierge e jante num cantinho simpático.