Genebra, Mandarin Oriental

Suíça, Genebra, Mandarin Oriental

Genebra é um lugar para morar, você vai sair de lá com esta sensação. E os motivos são muitos: qualidade de vida desponta na lista. Paisagens lindas ajudam a gente gostar dela, lugarzinhos gostosos para ver a vida passar sem a mínima pressa fazem parte do pacote (o que pode ser mais romântico do tomar um champagne ao entardecer, num resto-bar com velinhas, na beira do rio Reno num clima love is the air?), restaurantes para gostos requintados e lojas para bolsos fartos, o mundo das grifes está lá.

Genebra é uma cidade para se viver (por uns dias ou por anos) com dinheiro. Fique hospedado no Mandarin Oriental (além de estar nas margens do rio, possui o restaurante Le Sud que serve comida indiana assinada pelo chef Vineet Bahtia, o Rasoi que apresenta a proposta de ser uma brasserie comandada por Paul Bocuse, ao lado do check in está uma adega que nos faz salivar e perto dela um convidativo bar para um drink de boas vindas).

Coisas para fazer a pé na companhia de um guia (fui lá que escutei a frase: “meu trabalho é dar vida às estátuas”, ditas pelo Sylvian de Pury – sylvaindepury@bluewin.ch, melhor guia que eu já tive), visita ao Museu da Cruz Vermelha, se “atirar” no chocolataria Gilles Desplanches (na cidade velha), almoço no Arthus (peça uma mesa ao ar livre, mas namore as poltronas do lado de dentro), visite o bairro de Carrouge (uma vila no estilo italiana lindinha), passe um par de horas namorando no gramado do Parc de Bastion, faça umas comprinhas na rua Corraterie (lembre-se o relógios suíços são os melhore do mundo), viste a sede da ONU (e veja as crianças brincarem na fonte que tem na frente do prédio, uma delícia), assista um espetáculo no Teatro do Ópera, suba na montanha de Savèle por um teleférico de onde se tem uma vista incrível da cidade, acabe o dia em volta do rio Reno curtindo o Jet Deau (se inspire na foto ao lado). Na Cidade Velha fique um dia inteiro (passe pela Catedral de Saint Pierre, pelo distrito de San Gervasio, pela Galerie Temoin, pela Livraria Librarie Ancienne Antique, pela estátua de Pichet de Rochemont e depois se deixe ficar em um dos cafés e restaurantes instalados pelas praças e ruelas.

Fernando de Noronha: Pousada do Zé Maria

Basta pronunciar Fernando de Noronha para todo mundo se assanhar. Quem já não ouviu e desejou estar na Polinésia brasileira? Nosso litoral é bonito por natureza – como já cantava Jorge Benjor – e Noronha consegue ser a pérola negra. Uma vez escrevi uma matéria onde dizia que o arquipélago mais lindo do Brasil tem dois símbolos eróticos: o Pico do Morro e os Dois Irmãos (que parecem dois seios), o primeiro não preciso explicar, né? Sabe que eu tinha razão? E digo mais, eta lugarzinho para amar e ser amado!

O negócio por lá é praias, uma mais bonita que a outra, mas nenhuma bate a Baía do Sancho: mar transparente, areia branca e fofinha, perfeita para fazer snorkel (muito peixes coloridos), deserta em várias momentos do dia (use sua imaginação, né?) e protegida por uma falésia de 30 metros de altura. Seu acesso é difícil (assim que é bom) há que fazer certo esforço para chegar nela: descer por uma fenda na rocha e encarar uma escada vertical passando por um buraco meio apertadinho. Num rápido raio X: no lado esquerdo de Sancho fica a Baía dos Golfinhos (nas primeiras horas da manhã dá para vê-los), do lado direito a Baía dos Porcos onde estão os Dois Irmãos (os morros dentro d’água que parecem seios), depois vem a Cacimba do Padre com ondas nos meses de verão.

O pôr do sol é no Forte São Pedro do Boldró com direito a Bolero de Ravel, forró no Bar do Cachorro (na Vila dos Remédios), desova das tartarugas marinhas na praia do Leão (de março a julho), o melhor mergulho de snorkel em Atalaia. Não deixe de fazer mergulho com cilindro e passeio de barco para ver os golfinhos rotatores. Agenda pronta é hora de relaxar, a Pousada do Zé Maria alia conforto e boa localização (fica de cara para o Pico do Morro). Invista nos bangalôs com jacuzzi no deque e vista para o Pico e depois de ter feito um reconhecimento de campo na ilha, fique ali a curtir seu amor com jatos de hidromassagem e um cenário absolutamente propício …

Polinésia Francesa, Fakarawa, Le Maitai Dream

Polinésia Francesa, Fakarawa, Le Maitai Dream

Sabe quando encontramos a pessoa da nossa vida? Quando o beijar é um prazer imensurável? Uma noite de amor parece valer uma existência? E antes disso pensávamos que sabíamos o que era o amor. Quando o bom fica irretocável? É exatamente isso que você vai sentir ao chegar no atol de Fakarawa, na Polinésia Francesa. Se você achava que as outras ilhas eram incríveis, esqueça do ontem e projete o agora. Voltar para casa será um ato de pura insanidade.

Ele fica no arquipélago de Tuamotu, só existe um bom lugar para se hospedar, o Mitai Dream Fakarawa. Se tem bangalôs com palafitas? Não. Se é super luxuoso. Também não. Ele tem bangalôs a poucos passos do mar, as cadeiras perto da água são de plástico. Decepcionado? Não fique. O Mitai oferece tudo o que você precisa para ser feliz. O sol morre no mar, há caiaques para passeios tranquilos, os quartos são uma graça e com todo o conforto necessário, o restaurante é delicioso, o atendimento pode ser um pouco demorado (tudo é feito na hora, vem fresquinho), deixe a pressa em casa, apenas pense em amar.

Um pier grande invade o mar, compõe o cenário. E mais, o leva até as lanchas, que numa travessia de duas horas passando por fazenda de Pérolas Negras o levam a uma ilhota. Ao chegar, se você sentir vontade de chorar, vá em frente, porque a beleza deste lugar nos deixa arrebatados. Pequenas casinhas de madeira estão num imenso jardim de coqueiros, depois uma escola de mergulho, mais a frente O Degrau. Meu amigo, o jornalista Décio Galina, o descobriu e me mostrou. Num primeiro olhar nada além daquelas cores inacreditáveis, da água transparente que se pode enxergar os grãos da areia, ela começa batendo na canela, aos poucos a profundidade aumenta, chega a um metro, nesta altura do campeonato você já está na horizontal, colocou a máscara de snorkel e de repente um buraco de dez metros se abre e lá embaixo aparecem os mergulhadores com cilindro, além deles tubarões e cardumes super coloridos. A cena é marcante. A seguinte vai ser mais ainda, uma nova ilhota, minúscula, um coqueiro debruçado sobre o mar, peixe pescado e sendo cozido numa fogueira improvisada. Você decide nunca mais voltar, isso seria uma insanidade, bastam você, seu amor e uma ilha deserta no meio do Oceano Pacífico.

São Paulo: Hotel Emiliano

São Paulo – Emiliano

Sabe aqueles lugares que você entra e pensa: eu poderia viver aqui? Os tons pastéis dominam. Ele é clean, mas nada frio. Na entrada tem uma sala elegante com uma bela obra de arte em negro. A música ambiente que toca sem pausa faz parte de um dos CDs do Hotel Emiliano. Um pequeno corredor leva aos elevadores. Em cada andar três apartamentos, parece um prédio residencial. Abre-se a porta. Você vê uma poltrona Charles Eames (mesmo modelo exposto no MaMa em Nova York). O frigobar é hi-tech, você puxa uma gaveta transparente em diagonal e águas Evian e Pierrie aparecem lado-a-lado. Há carta de vinhos (selecionada pelo cantor e conhecedor do assunto, Ed Motta), espumantes, cervejas, chás. Uma garrafa de tinto é cortesia, um agradinho, e porque não abrí-la, imediatamente? Copos de cristal, é claro. A cama é imensa e a quantidade de travesseiros o faz pensar em uma guerrinha de plumas. Sim, há um cardápio de travesseiros, são 10 opções. TV LCD, TV a cabo, DVD, CD player. Tudo para fazê-lo ficar na cama por horas e mais horas. Do lado de fora está a rua Oscar Freire, a mais chique e badalada da capital paulista. Você está no ponto nobre dos Jardins. Quem sabe ir em um lugar charmoso? Caminhe até o restaurante DOM de Alex Atala, fica a duas quadras, e desfrute de um dos 50 melhores endereços gastronômicos do mundo. No dia seguinte confira as carnes e peixes do Figueira Rubayat. O Fasano, melhor italiano na América Latina, deixe para a noite, momento para uma roupa mais elegante. Comprinhas? As melhores grifes do mundo são vizinhas do Emiliano. E para descansar de tanto vai e vem agende uma massagem e acabe o dia no spa que fica na cobertura. Entregue-se a jacuzzi e depois sossegue em uma espreguiçadeira. Paredes de vidro deixam a luz natural entrar e os entardeceres são lindos. Ver o Emiliano de fora na hora do crepúsculo é igualmente atraente. Jante um dia no hotel, a gastronomia assinada pelo chef  José Barattino que aposta na cozinha italiana contemporânea, acompanha o padrão cinco estrelas dos dias vividos na parte mais seleta da capital paulista.

Durban, Zimbali

África do Sul, Durban, Zimbali

Vá mais pelo hotel do que pelo destino. Não que Durban, na África do Sul, não tenha seus encantos. Tem, mas ela não é o destino TOP do país, tenho que ser sincera. Mas se você gosta de hotéis de luxo vai adorar o Zimbali. Além disso depois que entrar no Zimbali Lodge vai ser difícil algum outro programa lhe parecer apetitoso. O hotel fica no topo de uma colina, em meio a  50 hectares, a seus pés está o Oceano Índico, uma lagoa e uma praia paradisíaca, ao seu redor uma floresta nativa com intensa vida animal em uma área de proteção ambiental. Ele parece ter vida própria, mesmo sendo pequeno, e por isso mesmo acolhedor, são apenas 76 suítes. Logo ao chegar no hotel seus olhos são atraídos para fora, o corpo acompanha, até aproximar-se de uma piscina com borda infinita que parece acabar no mar. Ao seu redor aquelas espreguiçadeiras tão precisamente arrumadas e a ideia de esquecer do mundo e ali ficar por um dia inteiro entre mergulhos na água doce e outros no mar. Dentro do complexo há um importante campo de golf assinado por Tom Weiskopf.  Aproveite para experimentar a culinária indiana carregada de curry – que veio dos 90% de indianos que habitam em Durban. Ela é o carro chefe da casa e sua apresentação ajuda a salivar. Durban é uma espécie de Bahia, sol e calor o ano inteiro. Namorar acima dos trinta graus é estimulante, lá pelas tantas voltar para o quarto, se entregar a um banho de imersão em uma banheira vitoriana, do final do século repassado, deixa tudo tão adequado. A decoração passa pelo sofisticado e ao mesmo tempo rústico. Pelas redondezas há Shakaland –  réplica de uma tribo Zulu onde se pode conhecer os hábitos, vestimentos e cultura dos antigos maradores da região. Pelos lados da cidade tem o mercado público que é uma verdadeira explosão de temperos e cores. Mesquitas pelo caminho pontuam a paisagem. Praia? Fique com a do hotel, mais exclusiva e bonita.

Costa Rica: La Costa del Papito

A Costa Rica fica na América Central. Ela é um pequeno país banhado por dois oceanos: o Pacífico e o Atlântico. No lado Atlântico encontra-se o mar com águas quentes e transparentes do Caribe, numa região chamada de costa das Caraíbas. Neste pedacinho há uma pousada rústica e absolutamente charmosa, La Costa del Papito, no vilarejo de Puerto Viajo, na frente da praia de Cocles. Não espere encontrar luxo, vá sem grandes pretensões, apenas espere por dias onde a preguiça vai reinar, dias na Playa Negra com areias escuras e mar de forte azul, passeios por reservas naturais, 30% do país é área de proteção ambiental, onde macaquinhos, os kongos, vão pular na sua frente sem a menor cerimônia, destino em que a intensidade da mata nativa se faz notar.

O clima é 100% descontraído, ande de chinelos de dedo, de dia e de noite. Biquine e canga é a vestimenta básica. À noite vá de shorts e regata. As baladas são movidas ao ritmo do reggae, não se assuste de você quiser voltar com os cabelos cheios de dread looks, todo mundo é meio rasta por estes lados. Na entrada da pousada uma placa com os dizeres: O verdadeiro viajante sabe que planos são feitos para serem modificados, algo assim, lembro que me marcou.

Pois este é o espírito, neste destino não faça planejamentos que vão além de comprar uma passagem de avião, reservar a pousada, alugar um carro e curtir um romance. Deixe o vento te levar, pode ser que ele bata para os lados de Punta Uva, uma das praias mais bonitas. O cumprimento oficial por estas bandas é pura vida, simpático, né? O cenário é colorido pela natureza, o clima é quente por dias tropicais, descontraído pelo estilo de sua gente, gente local e um número impressionante de estrangeiros que resolveram fazer da costa riquenha seu novo lar. São eles os responsáveis pelos bons restaurantes da região, todos tendo os peixes e frutos do mar como prato principal, o que que muda é a cozinha, por ser italiana, francesa, espanhola. Vá que você se torne o mais novo morador? Acabe o dia namorando na sacada do seu bangalô, no doce balanço da rede.

Governador Celso Ramos, resort Ponta dos Ganchos

Santa Catarina, Governador Celso Ramos, resort Ponta dos Ganchos.

Em Governador Celso Ramos, 30 KM de Florianópolis, está um dos resorts mais luxuosos do país. A brincadeira é para gente grande. Estamos falando de um Relais Chateaux. Disposto a encarar um bangalô Especial Vila Esmeralda com 310 m2? Piscina particular em forma de raia? Adega própria? Sauna com vista para o mar? Tatumis para massagem e fitness center privado? Estas regalias fazem parte do mundo cinco estrelas Ponta dos Ganchos. Há também os bangalôs Esmeralda e os da Vila onde você vai encontrar todo luxo e conforto necessários para dizer “daqui eu não saio, daqui ninguém me tira”. Acompanhe: cama king size, lençóis de 600 fios egípcios, piscina com borda infinita, jacuzzi com hidromassagem, jardim particular, duas pias, dois chuveiros, dos banheiros e closet. Satisfeito? E há vida além do bangalô (se bem que nem precisava), o resort oferece prainha exclusiva para os hóspedes com areia branca e fofinha, águas quentes e claras, espreguiçadeiras e guarda sóis brancos, sem falar nos prestativos garçons que ficam a volta a lhe servir. A gastronomia é gourmet e assinada pelo chef Luis Salvajoli que valoriza os frutos do mar e as famosas ostras de Santa Catarina. E os encantos seguem pelas tendas de massagem entre as árvores e a ilhota para jantares particulares à luz de velas. Entre junho e agosto acontece o Ciclo dos Chefs onde grandes nomes da gastronomia brasileira e mundial seduzem o paladar dos hóspedes. O café da manhã não tem hora para acabar, ele vem acompanho da vista para a baía de Ganchos com aquele sem fim de barquinhos a sacolejar, é oferecido em forma de menu degustação, em pequenas porções, enquanto você lê o resumo do New York Times. Deu para entender o espírito? A qualquer momento do dia basta o telefone ser levantado que o seu pedido será atendido. Sem horários, sem regras. Os finais de tarde no Cantinho da Veleza são inesquecíveis, se imagine no topo do morro em chaise lounges embalado por uma musiquinha tranquila e com um cálice de champagne nas mãos. Tudo chique e no ponto. Seu número, não é?

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                 

Ceará: Rancho do Peixe

O Rancho do Peixe é uma pousada à beira mar, na praia do Preá, no Ceará. Até rimou, né? E mais uma vez aparecem aqueles atributos tão típicos do litoral nordestino: águas quentes, praias de areias brancas, coqueiros e um ritmo que acompanha os dias preguiçosos e de bem com a vida. Só tem um detalhe: lá venta e venta muito. Perfeito para os praticantes do Kite windsurf, mas não exatamente para quem quer ficar na beira da praia sentadinho numa cadeira. Levando isso em consideração vamos adiante. Toda vez que vou começar a escrever sobre um lugar me lembro da chegada e aqui não vai ser diferente, pois ela me traz uma boa recordação, depois de sobreviver ao sacolejo devido aos milhões de buracos da estrada que liga Fortaleza à Jericoacoara (Preá fica um pouquinho antes) se chega no que podemos facilmente chamar de paraíso. O Rancho é um lugar interessante, apesar de ele ser super simples, tem um charme incontestável, tudo parece feito com muita criatividade, é madeira e palha por todos os lados. Atenção a esta dica: escolha um bangalô com vista para o mar, nem pense em outro. Como espaço é algo que se tem de sobra o arquiteto, Gui Mattos, de forma inteligente os projetou com uma distância pra lá de satisfatória. Então divida suas horas assim: balançar na rede na sacada do seu bangalô, ver o sol nascer na mesma sacada, tomar banho (a dois) no chuveiro ao ar livre, ficar na piscina de 25 metros, a degustar um branco e depois tirar um cochilo no espaçoso bangalô, entre as paredes e o teto a uma fresta grande e por isso está sempre fresquinho, tão bom para namorar. No final de tarde bata ponto diariamente em Jeri e confira o pôr do sol de cima da duna, um programinha clássico local, vá e volte de buggy pela beira da praia, são quinze minutos curtindo o vento no rosto, mas leve um casaquinho para não passar frio. Uma noite jante por lá, e claro, para quem gosta de um agito, se atire no forró.

Buenos Aires: Hotel Moreno

O Hotel Moreno, em Buenos Aires, parece um daqueles lugares achados. Eu explico: ele fica no bairro de San Telmo, que não tem tradicão em hotelaria. Lá você vai encontrar a feirinha de antiguidades mais famosa da cidade, noite boêmia, antiquários, museus e para por aí. Isso é o mais bacana. Ele está num lugar despretensioso e super central, a Plaza de Maio é vizinha (150 metros), o cais de Puerto Madero fica há algumas quadras (se pode ir caminhando), ele se localiza entre Palermo e La Boca (dois bairros mais distantes). Bem, já dá para imaginar que sua entrada não tem a mínima cara de hotel, a que se procurar pelo número. No passado ali se estabeleceu uma editora de livros. Um belo dia se tornou um hotel boutique com 39 apartamentos. Logo ao entrar observe os azulejos (nas paredes e piso) que foram preservados, na escada entre os andares veja os vitrais, todos originais, o trabalho de conservação foi mesmo de tirar o chapéu. E o elevador sanfona? Dá um clima super retrô. Os quartos são enormes, com o pé direito alto, cleans, com móveis de arte déco, TV LCD, tudo para agradar gostos mais elaborados e que procuram uma alternativa para fugir das grandes cadeias de hotel. A única dica é pedir pelos quartos nos andares mais altos porque nos baixos o trânsito da rua pode incomodar o sono, as horas de namoro. A cereja do bolo, neste caso, está literalmente no topo, no terraço do prédio há um espaço para relaxar, tomar café da manhã, fazer um happy, curtir momentos a dois, e isso vale para dias de calor e de frio, imagina que há uma lareira ao ar livre? Não é demais? Aquece qualquer romance! Isso sem falar que dá para espiar a Basílica de São Francisco, os telhados vizinhos, ver a arquitetura antiga que marca as ruas, o estilo, a personalidade da capital portenha. Quem curte andar de metrô tem uma estação bem pertinho, se bem que em Buenos Aires, os táxis são bem razoáveis e rendem bons papos com os motoristas, mas a dica mesmo é ficar pelas bandas de San Telmo, desacelerar, deixar os outros bairros para uma próxima ocasião e ficar por ali a andar de mãos dadas e curtir a alma de Buenos Aires, seu passado bem preservado.

Buenos Aires, Faena.

Buenos Aires, Faena.

Bem, o Faena é um mundo à parte dentro de Buenos Aires, na Argentina. Ele fica no bairro de Puerto Madero, uma parte da cidade mais moderna, aos pés do cais do porto, que foi transformado em um endereço comercial com uma bela gama de entretenimento para os visitantes: são lojas, cafés, restaurantes e casas noturnas que se estendem pelas docas. Grandes empreendimentos imobiliários são construídos na região constantemente. Este é o endereço IN da capital portenha e o Faena é bastante responsável por este movimento. Ele é projeto de Alan Faena, excêntrico e perfeccionista. Quem assinou a decoração, nada discreta do hotel, foi o queridinho do design de interiores, o francês Philippe Starck. De cara se vê muitas cortinas de veludo que vão do teto (com pé direito super alto) até o chão e uma abundância de espelhos. O vermelho desponta e o branco quebra. O nome certinho é Faena Hotel + Universe, ele é mesmo auto-suficiente. Espia só: são três propostas de gastronomia, El Mercado (rústico e despojado onde é servido o café da manhã), Library Lounge (onde acontecem os happy hours embalados pelo piano de caldas e numa atmosfera despojada) e o El Bistro (todo branco com um tapete vermelho e unicórnios nas paredes). El Cabaret é o teatro particular do hotel que é super bacana e oferece espetáculos de tango fora do clichê. A piscina é outra delícia do hotel. No último andar está o spa, nada menos do que maravilhoso, perfeito para desfrutar com seu amor no final do dia, antes de voltar para o quarto e pensar se realmente vale a pena sair ou ficar entre o luxo descolado que mounsier Starck criou para o Faena. Quem não vive sem compras pode dar uma espiada na La Boutique e para os amantes de vinhos há o The Cellar, onde se pode agendar jantares, os hóspedes ganham mantinhas lindas com o F da marca, para driblar a baixa temperatura destes santuários. Dos quartos à vista para Puerto Madero é demais e o entardecer deixa o visual apetitoso. Ao lado da sua cama, uma camisinha vermelha embalada numa caixinha deixa claro o tom ousado do hotel.