Cusco: Casa Andina Private Collection 

Peru, Cusco: Casa Andina Private Collection 

Cidade Sagrada. Assim os incas chamavam Cusco no auge do seu império no Peru, entre os séculos XI e XII. Hoje, Cusco aparentemente é a porta de entrada para o sitio arqueológico de Machu Picchu, uma das Sete Novas Maravilhas do Mundo. O que logo se descobre é que Cusco sozinha segura uma viagem. Inclusive o trio: Cusco + Trilha de Salkantay (veja capítulo 52) e Águas Calientes (capitulo 50) são uma viagem e tanto! Então você descobre que ela tem uma vida noturna das mais agitadas e divertidas, com gente de todas as partes do mundo, que a gastronomia é de comer de joelhos (anote aí restaurantes imperdíveis: Limo, Chicha, Fallen Angel). E também que durante o dia você tem alguns séculos de história dos incas e dos espanhóis para visitar.

Logo vai saber que foi a pólvora a pôr fim a uma das civilizações que nos surpreendeu pela arquitetura. Cusco é uma cidade com ruas estreitas e feitas de pedra, calçadas mais estreitas ainda (só passa uma pessoa por vez), muitas ladeiras e uma praça central, La Plaza de Armas, onde está a catedral. Dentro das janelinhas, nas fachadas coloniais, estão endereços gastronômicos de peso, bem decorados, modernos, onde a noite acontece (começa ali). Há diversas lojas de artesanato, roupas de lã de alpaca e vicuña (lãs nobres). Os turistas se veem encantados com as mulheres e crianças trajadas com suas vestimentas coloridas e saem a disparar fotos, que são devidamente cobradas. Sim, elas já aprenderam que a curiosidade alheia pode render uns solis (moeda local).

O fato de Cusco estar a 3.500 metros de altitude pode gerar algum mal-estar nas primeiras horas, então beba muita água, busque descansar que logo o corpo acostuma. Sugestão: veja o pôr do sol de cima da fortaleza de Sacsahuamán, o templo sagrado. A foto deste capítulo foi feito de lá (use uma teleobjetiva). É lindo ver Cusco ser pintado de dourado com a luz do entardecer. Depois desça, desfrute da noite e fique hospedado no Casa Andina Private Collection, um hotel charmoso e confortável.

 

Para saber mais:

www.casa-andina.com/

Aguas Calientes: Sumaq Hotel

Peru, Aguas Calientes: Sumaq Hotel

A cidade de Aguas Calientes, na beira do rio Urubamba, é mesmo surpreendente. Ela é base para quem vai ao sítio arqueológico de Machu Picchu, uma das Sete Novas Maravilhas do Mundo, o vale perdido dos Incas.

Ok, ao chegar nela, você pode até pensar que eu enlouqueci: numa primeira mirada a cidade não tem nada de bacana, ela se limita a uma rua, uma feira cheia de barraquinhas de artesanato e lá pelas tantas se vê um restaurante transadinho aqui, um bar que parece bem maneiro acolá, e quando você viu, gostou.

Ela vai te agradar mais do que imagina. A primeira razão para ficar hospedada nela é que você pretende acordar bem cedinho (leia-se às 5 da manhã) para visitar Machu Picchu antes de o sol nascer.

É nesse lugar que está o Sumaq Hotel. Ao entrar você logo percebe que passará uma noite de rei: o quarto, além de grande, é bem decorado no melhor estilo andino e tem todo o conforto: cama king size, muitos travesseiros com fronhas de fibra de alpaca e cobertas de lã de ovelha – humm, dá para ir a Machu Picchu, voltar e ficar umas horas namorando neste ‘camão’. No quarto também tem banheira, toalhas grandes e fofinhas. Observe o kit de costura e as demais amenidades (nunca vi nada tão caprichoso e com qualidade).

E tem mais: o spa oferece massagem, sauna e banho de imersão numa jacuzzi com hidromassagem e cromoterapia. Mas o melhor mesmo vem com a gastronomia gourmet, preparada pelo chef Rafael Piqueras (um dos cinco melhores do Peru), que assina o menu degustação. Bem, daí em diante prepare-se porque é uma profusão de sabores em pratos preparados com delicadeza, ressaltando os ricos ingredientes peruanos provenientes da costa, selva e serra: peixes, batatas, milhos e raízes. Prove e se apaixone pelo ceviche. Atire-se à gula, leve junto seu amor. E depois vá dar uma volta pela cidade (ao lado) e certamente você vai encontrar animação – isso se lhe restarem forças…

 

Para saber mais:

www.sumaqhotelperu.com

Puerto Natales: Remota

Torres Del Paine, Puerto Natales: Remota

Lá pelas bandas do extremo sul do mundo, no finalzinho do Chile chegando ao Estreito de Magalhães, está a pacata cidade de Puerto Natales, um povoado de homens do mar, onde o porto bucólico é colorido pelos barcos e entardeceres cor-de-rosa. Perto dali, duas horas de van, fica o Parque Nacional Torres del Paine, um dos lugares imperdíveis pela beleza estonteante. Use como base o Hotel Remota, um projeto ecológico do arquiteto chileno Germán del Sol. O lugar é todo bacana, tem um design completamente fora do comum. Germán buscou não disputar atenção com a natureza, mas a verdade é que o Remota desponta na paisagem com sua cor negra, todo envidraçado.

Na parte interna, o prazer de contemplar o belo permanece: uma rampa leva ao restaurante, passa por salinhas com lareiras no centro, banhadas pela luz natural que entra abundantemente pelas imensas janelas. No horizonte, formações rochosas irregulares e dramáticas nos fazem suspirar. Não há paredes separando os ambientes. No andar de cima um espaço de cochilo com tatames e almofadas que ganham todo o espaço. E mais uma vez as janelas revelam a beleza da natureza selvagem lá fora.

Os quartos são minimalistas, com paredes em tons pastel e edredons brancos fofinhos e macios por cima da cama. Do banheiro janelinhas fazem os olhos mais uma vez encontrarem a paisagem patagônica. O Remota ainda tem a bem-vinda estrutura de lazer composta por piscina climatizada, jacuzzi ao ar livre aquecida e sauna. Para conhecer as redondezas há guias próprios, transporte e uma listinha de atividades já organizada que incluem cavalgadas e trekkings. O hotel é um convite para horas de amor, ócio e preguiça, mas vale se animar e explorar a região que é linda.

Se faz frio? Sim, afinal, estamos falando da Patagônia. No verão as temperaturas podem chegar a 20ºC, e no inverno a máxima é de 5ºC. O vento, muito comum na região, é que dá a sensação térmica mais cruel, por isso, usar roupas adequadas a temperaturas extremas é fundamental, tais como casacos corta-vento, polares e impermeáveis. Um cobertor de orelha também ajuda.

 

Para saber mais:

http://www.remota.cl/