Munique: Mandarin Oriental

Alemanha, Munique: Mandarin Oriental

              Munique é uma das cidades mais charmosas da Alemanha justamente por seu tamanho compacto (nem parece ter 1,5 milhão de habitantes). Ela passa longe da efervescência da capital berlinense. Traços supermodernos (lá está o museu da BMW, aberto em 2008) contrastam com o típico ar europeu: ruelas, torres, igrejas e fachadas milenares.

Num passeio pelo centro (parte velha) revela mesinhas pelas calçadas (em lugares charmosos que você promete um retorno com seu amor para um jantar bem romântico), artistas de rua (a levar alegria aos que passam), garçonetes vestidas com o tradicional traje alemão (lindas mulheres loiras), barris de chope e canecas transbordando com cervejas artesanais (sim, lá é a terra da Oktoberfest que atrai 7 milhões de pessoas em 16 dias de festa no mês de outubro). Nas enormes mesas dos Biergartens (bares), turistas das mais diferentes nacionalidades celebram o prazer de viver comendo salsichas bock, apple strudel com muitas canecas de cevada. O clima é de festa.

Os Alpes estão logo ali e rendem lindos passeios. Pela cidade cumpra o roteiro cultural: visita ao Castelo de Nymphenburg, à Pinacoteca Alte e a Deutsches Museum, para início de conversa. Perca, literalmente, um dia inteiro no Englischer Garten (um dos maiores parques urbanos do continente europeu), alugue uma bicicleta e vá descobrindo trilhas, lagos, pontes até chegar na Bier Garten do parque. Há vários pela cidade, vá provando um a um (impossível todos) e eleja o seu preferido. Num clima de romance absoluto vá de Mandarin Oriental (uma das minhas cadeias de luxo preferida), ele fica bem pertinho da Maximilianstrasse (importante área de negócios). No estilo neorrenascentista o hotel é um mimo só. Diquinhas: antes do jantar vá ao piano bar e tome um cálice de champagne (espere por Garota de Ipanema, é só o pianista saber que você é brasileiro), jante no restaurante Mark’s (coma de joelhos o menu degustação, ele tem uma estrela Michelin) e curta o terraço em diversos momentos do dia (ao entardecer, num jantar à luz de velas e num mergulho no meio do dia). Sinta-se vivo!

 

Para saber mais:

www.mandarinoriental.com/munich/

Berlim: Hotel Adlon Kempinski

Alemanha, Berlim: Hotel Adlon Kempinski

Berlim é um destino ícone que você precisa de um bom tempo para conhecer (talvez a vida toda), então o negócio é eleger um pedacinho dela para desbravar – e se você gostar, marque um retorno, dois. O importante é não querer fazer tudo de uma vez só, deguste Berlim por partes.

E que tal começar em grande estilo? Nela está o Hotel Adlon, onde ninguém menos do que a rainha Elisabeth fica hospedada quando está pela cidade. Espere encontrar um grande hotel (em tamanho e sofisticação), com spa e restaurante gourmet. Sua localização vale ouro, fica a poucos passos do Portão de Brandenburg, próximo de onde esteve o Muro de Berlim que separou a Alemanha em duas nações: oriental (comunista) e ocidental (capitalista).

Vamos concordar: Berlim é um túnel do tempo, então realmente vale ler um pouquinho antes de embarcar, e ao chegar lá contratar um guia. É bem mais legal passar por importantes pontos da História e saber onde se está pisando. A cidade foi praticamente destruída pelos bombardeios da Segunda Guerra Mundial e até hoje é incrível ver a obra de restauração. Concentre-se no bairro Mitte (lado oriental), ele fica numa área central da cidade, com bares, cafés, restaurantes, galerias de arte, museus, livrarias, todos num conceito alternativo, pois o local ainda guarda um espírito relaxado e descontraído (visite a rua Gipstrasse com galerias de arte), jante no japonês Kuchi e no bistrô Bandol. Outro bairro que merece uma tarde de sua viagem é o Prenzlauer, que tem basicamente casais jovens morando lá. É neste lugar que está o Café Bonanza (na rua Oderberger), orgulhoso pela qualidade de seus cappuccinos, um cantinho pequeno e superconvidativo da cosmopolita capital berlinense. Na mesma rua há diversas lojas tipo brechó com vitrines criativas e araras pela calçada. Fugindo do lado B, vale bater ponto nos cartões-postais: portão de Brandenburg, o parlamento alemão – Reichstag (suba em sua cúpula de vidro para ter uma bela vista da cidade, mas o faça logo cedo para evitar filas sem fim), Potsdam Platz (praça moderna com complexo gastronômico e um cinema) e vá à Ilha dos Museus, onde está a Catedral de Berliner Dom.

 

Para saber mais:

www.hotel-adlon.de/