Ponta do Corumbau, Fazenda São Francisco

Brasil, Ponta do Corumbau, Fazenda São Francisco , praia

No extremo sul da Bahia, fazendo divisa com o Espírito Santo está a Ponta do Corumbau, um pedaço de praia super exclusivo, primeiro por ser quase desértico, depois por ter pousadas de luxo, são quinze quilômetros de areias brancas, mar com águas cristalinas e recifes que na maré baixa viram piscinas naturais 10 KM mar adentro.

Pouca interferência humana houve na geografia desta região, a antiga vilinha de pescadores segue lá, firme e forte. Porto Seguro está distante 50 KM pela orla. Uma rua de terra batida separa a praia dos coqueirais, olhando com mais atenção se pode perceber que no local onde foram Fazendas de Café hoje são pousadas de charme. Uma delas é a Fazenda São Francisco, com 167 hectares, no qual oferece apenas oito habitações, duas suítes e seis bangalôs, com sacada, rede e vista para um generoso jardim cheio de coqueiros.

Na beira da praia panos brancos, estendidos e presos em quatro bambus, cumprem o papel de guarda sol, abaixo uma espreguiçadeira. É genial, espia a foto ao lado. Ainda pelo jardim há bastante vida e beleza, o gazebo de massagem é um convite à horas do mais puro relax, a piscina com fundo negro e o deque com espreguiçadeiras são outros motivos para não fazer nada na maior classe.

Os peixes e frutos do mar são pescados na vila de Corumbau e chegam fresquinhos à mesa. Apesar de se estar numa região de difícil acesso uma carta com 50 rótulos de vinhos e espumantes está à disposição dos apreciadores.

Para desbravar a redondeza a dica é se locomover pelo mar ou pela terra. De escuna se pode navegar até a praia do Espelho, vizinha de Trancoso, e de buggy ir conhecer a aldeia dos índios Pataxós onde se pode comprar artesanato e passear em Caraíva.

Dica da Cris: a noite é acendida uma fogueira dentro da pira, no meio de um espaço ao ar livre, com sofazinhos e almofadas. Perfeito para você curtir um clima de romance com seu amor.

Salvador, Convento do Carmo

Salvador, Convento do Carmo

Ele fica em um dos principais e mais bacanas lugares de Salvador da Bahia: o centro histórico de Pelourinho. O hotel Pestana Convento do Carmo, que faz parte do grupo Pousadas de Portugal, tem por filosofia estar dentro de um ambiente com caráter histórico, por isso, remodelou um convento Carmelita de 1835. Imagina que palco este hotel foi projetado? Ele é o primeiro caso de hotelaria a unir história e luxo no Brasil. O resultado é que você acaba tendo que fazer um esforço extra para querer voltar ao mundo externo. De cara se pode ver a riqueza de detalhes, a arquitetura marcante, as obras de arte e no meio desta atmosfera um tanto quando austera a modernidade dos móveis e o serviço atencioso vai gerando uma mescla irresistível. No meio dele há um pátio com chafariz e piscina, algo dois em um.

À noite é a vez do chafariz brilhar, de dia ele é desligado e vira piscina, que diga-se de passagem, é um lugar super convidativo do hotel, projete o típico calor de Salvador, e você em um gazebo a curtir seu amor entre refrescantes mergulhos? Boa pedida, né? Lá pelas tantas se opta em almoçar no restaurante que fica exatamente ao lado da piscina e se descobre um cardápio especializado em sabores portugueses, sabiamente você escolhe um bacalhau e para acompanhar um vinho português. A tarde provavelmente vai acontecer no conforto e charme da sua suíte, numa cama com lençóis de algodão egípcio, muitos travesseiros e num entrelaçar de pernas.

Quando o entardecer chegar vale se animar e sair para dar um passeio pelas ladeiras do pelourinho e babar diante da arquitetura colonial portuguesa do século XVI, vá que você de sorte e presencie uma batuca a la Olodum? É de arrepiar sentir a força e energia dos tambores. Pelos arredores do hotel não deixe de fazer um city tour interno e conhecer a Capela de Noviciado com seus azulejos originais portugueses do século XIX e os afrescos no teto e agende uma visita a sacristia que tem paredes de ouro e uma cruz de cristo com rubis.

A Praia do Forte

A Praia do Forte, no litoral norte baiano, é famosa pelo Projeto TAMAR, que cuida da preservação das Tartarugas Marinhas na costa brasileira. Salvador, capital da Bahia, fica a uma hora de carro dali. Logo os olhos se acostumam com a abundância de coqueiros, marca registrada da região. O  clima é de sombra e água fresca, afinal, são nada menos do que doze quilômetros de areia e quase nenhum sinal humano.

Ela fica numa área de preservação ambiental onde há reservas ecológicas de Mata Atlântica, lagoas, observação de baleias Jubarte, a desova das tartarugas marinhas (frequentadoras assíduas de setembro a março) e recifes de coral que acabam virando piscinas naturais quando a maré baixa (dica: vá à praia de Papa Gente). Deu para perceber que o clima é de viajante ecoturistinha? Ok, ali já virou point de super resorts. Um deles eu recomendo com louvor, o Praia do Forte Eco Resort que acerta no tom, até mesmo para quem costuma torcer o nariz para estes “shopping centers tropicais”.

O bacana nele é o jardim que fica em frente a enseada de Tatuapara com águas quentes e calmas. Neste jardinzão há muitas espreguiçadeiras, coqueiros que não acabam mais, redes e aqueles simpáticos atendentes que ficam a seduzir com águas de coco, caipirinhas (afinal estamos no Brasil) e demais bebidas com teor afrodisíaco quer dizer alcoólico que tanto combinam com o fazer nada e o namorar!

E quem quiser sentir a alma do lugar basta dar uma curta caminhada para chegar no coração da vilinha de pescadores, claro que com a chegada dos turistas ela deu uma mudada, mas ainda dá para sentir o clima despojado e simples da vida dos homens do mar. Se pode checar um bom número de restaurantes transadinhos e lojas de grife. Voltando as ofertas de divertimento do Eco Resort: os passeios ecológicos são acompanhados por biólogos, há uma piscina reservada, longe do agito, outra para quem quer que “aue”, um spa de talassoterapia e academia de ginástica (muitos pontos para eles), a gastronomia é outro forte do resort, até mesmo o buffet com seus 90 itens é digno de louvores. E pais com filhos podem curtir momentos a dois, basta deixar a criançada no Clube Careta Careta (até os grandinhos têm vontade de ficar por lá).

Ponta do Corumbau, Fazenda São Francisco

Ponta do Corumbau, Fazenda São Francisco

No extremo sul da Bahia, fazendo divisa com o Espírito Santo está a Ponta do Corumbau, um pedaço de praia super exclusivo, primeiro por ser quase desértico, depois por ter pousadas de luxo, são quinze quilômetros de areias brancas, mar com águas cristalinas e recifes que na maré baixa viram piscinas naturais 10 KM mar adentro. Pouca interferência humana houve na geografia desta região, a antiga vilinha de pescadores segue lá, firme e forte. Porto Seguro está distante 50 KM pela orla. Uma rua de terra batida separa a praia dos coqueirais, olhando com mais atenção se pode perceber que no local onde foram Fazendas de Café hoje são pousadas de charme. Uma delas é a Fazenda São Francisco, com 167 hectares, no qual oferece apenas oito habitações, duas suítes e seis bangalôs, com sacada, rede e vista para um generoso jardim cheio de coqueiros – pacote básico de uma vida a dois na costa baiana, não lhe parece? Uma graça na praia são os panos brancos, estendidos e presos em quatro bambus, cumprindo o papel de guarda sol com espreguiçadeiras embaixo, genial! Ainda pelo jardim há bastante vida e beleza, o gazebo de massagem é um convite à horas do mais puro relax, a piscina com fundo negro e o deque com espreguiçadeiras são outros motivos para não fazer nada na maior classe. Era super divertido ter que decidir pelo menu, o chef lhe telefona e pergunta qual seu pedido para o almoço ou jantar, lhe passa duas opções de entrada, prato principal e sobremesa, e aí começa o dilema, tudo prece tão bom. Claro que os peixes e frutos do mar pescados logo ali na vila de Corumbau chegam fresquinhos à mesa, o que faz toda a diferença. Quem comanda a cozinha é o chef Teco, natural da região, que aprimorou seu dom culinário em uma temporada por importantes restaurantes de São Paulo. Apesar de se estar numa região de difícil acesso uma carta com 50 rótulos está à disposição dos apreciadores. Para desbravar a redondeza a dica é se locomover pelo mar ou pela terra. De escuna se pode navegar até a praia do Espelho, vizinha de Trancoso, e de buggy ir conhecer a aldeia dos índios Pataxós onde se pode comprar artesanato e passear em Caraíva.