Chile: Valparaiso

Valparaíso, charme

Valparaíso é para ir depois de estar uns dias em Santiago. Ela fica uma hora e meia da capital. Muita gente passa o dia nela e vai embora, um erro fatal, para se conhecer Valpo (como seu habitantes a chamam) é necessário um par de noites.

Ela é toda colorida e distribuída por cerros (morros). Tem um ar simpático, provavelmente provocado pelas cores alegres de suas casinhas empilhadas, construídas com zinco, vasinhos e flores nas janelas, cortinas de renda, mimo e cuidado.

A origem de Valparaíso vem do mar, do seu porto, que na metade do século XIX foi importantíssimo, pois era pit stop das embarcações que do Pacífico, desciam até o Estreito de Magalhães, rumo ao Atlântico. A cidade dos marinheiros é hoje a dos visitantes que buscam boemia, a casa (museu) de Pablo Neruda, bons restaurantes e lugarzinhos charmosos para domir. Sim, no meio deste cenário levamente anárquico, estão hotéis boutique tentadores e tão adequados a uma vida a dois. Cantinhos que despertam a mais bem-vinda e adequada preguiça e vontade de namorar!

Um dia a que se caminhar pelas ruas, calçar um sapato confortável, colocar a câmera de fotos no pescoço e encarar ladeiras, acima e abaixo, de um morro para o outro, e buscar capturar a alma livre e aventureira de Valpo, de suas pequenas galerias de arte, lojinhas entulhadas de artesanatos (repare nos belos tabuleiros de xadrez), nas fachadas amarelas, vermelhas, azuis, rosas, violetas que nos dias de sol explodem aos olhos e alegram a alma!

No seguinte demore para sair da cama, namore mais um pouco e depois escolha um restaurante para almoçar, destes projetados em terraços com uma vista espetacular para o porto e suas grandes embarcações, peça por um vinho chileno (ouro da casa) e desfrute do fazer nada entre peixes frescos e um bom papo.

Dica da Cris: O Casa Higueras, no Cerro Alegre, é uma delícia de lugar! Os quartos tem sacada própria e são bem decorados. Há uma piscina e jacuzi deliciosos acompanhados de uma bela vista. Da cozinha saem irresistíveis ceviches e pisco sauer. No entardecer suba ao terraço e tenha Valpo a seus pés e seu amor ao alcance!

Osorno, Enseada, Yank Kee Way

Osorno, Enseada, Yank Kee Way

Ele tem o formato perfeito de um vulcão, o cone bem definido e o pico eternamente nevado. É comparado a beleza do Monte Fuji, o vulcão Osorno fica no Chile, na Patagônia norte, na região dos lagos. Todas as cidades de colonização alemã, citando as mais importantes: Puerto Varas, Frutillar, Octoy – que rodeiam o rio Llanquihue têm vista para o majestoso vulcão. Ele compõe um cenário e tanto. Agora imagine uma noite de lua cheia, possivelmente fria, com a luminosidade do luar deixando um rastro prateado no rio e iluminando Osorno que é considerado um monumento de beleza natural, destes que nos deixa mudos, perplexos, em estado de profunda paz interior. Para melhorar, projete-se em um ofuro, seu corpo estará imerso na água quente, seus olhos vão espiar Osorno por uma das paredes de vidro, o silêncio vai imperar. Deixe a libido tomar conta, a salinha do spa é super reservada e escurinha, depois enrole-se em um roupão e volte para a cabana, no meio do caminho, pare e olhe novamente para o grande vulcão. Suspire. Repita o ritual todos os dias da sua estadia no resort Yan Kee Way em Enseada. Os bangalôs e chalés são feitos de madeira, o clima é rústico com todo o conforto desejado. Ele é bastante procurado pelos praticantes de fly fishing, o que não impede de receber super bem quem apenas deseja namorar em solo chileno, até porque é justamente no restaurante do resort, o Latitude 42 que está o melhor endereço gastronômico do Chile fora de Santiago. A gula vai rolar solta, não perca a torta de lucuma e coma salmão à vontade, ele é a vedete da casa. Uma adega com rótulos de mais de cinquenta vinícolas do Chile e de grandes vales produtores de vinhos do mundo estão à disposição dos amantes da boa mesa e de Baco. No inverno de pode esquiar em Osorno, nas demais estações a pedida são passeios à cavalos pelas montanhas vizinhas, rodear Llanquihue de carro e ir parando nas cidadezinhas, fazer trekkings e quem sabe arriscar uma pescaria? Só não esqueça de religiosamente voltar ao spa, ao ofuro e namorar Osorno.

Puerto Natales: Remota

Torres Del Paine, Puerto Natales: Remota

Lá pelas bandas do extremo sul do mundo, no finalzinho do Chile chegando ao Estreito de Magalhães, está a pacata cidade de Puerto Natales, um povoado de homens do mar, onde o porto bucólico é colorido pelos barcos e entardeceres cor-de-rosa. Perto dali, duas horas de van, fica o Parque Nacional Torres del Paine, um dos lugares imperdíveis pela beleza estonteante. Use como base o Hotel Remota, um projeto ecológico do arquiteto chileno Germán del Sol. O lugar é todo bacana, tem um design completamente fora do comum. Germán buscou não disputar atenção com a natureza, mas a verdade é que o Remota desponta na paisagem com sua cor negra, todo envidraçado.

Na parte interna, o prazer de contemplar o belo permanece: uma rampa leva ao restaurante, passa por salinhas com lareiras no centro, banhadas pela luz natural que entra abundantemente pelas imensas janelas. No horizonte, formações rochosas irregulares e dramáticas nos fazem suspirar. Não há paredes separando os ambientes. No andar de cima um espaço de cochilo com tatames e almofadas que ganham todo o espaço. E mais uma vez as janelas revelam a beleza da natureza selvagem lá fora.

Os quartos são minimalistas, com paredes em tons pastel e edredons brancos fofinhos e macios por cima da cama. Do banheiro janelinhas fazem os olhos mais uma vez encontrarem a paisagem patagônica. O Remota ainda tem a bem-vinda estrutura de lazer composta por piscina climatizada, jacuzzi ao ar livre aquecida e sauna. Para conhecer as redondezas há guias próprios, transporte e uma listinha de atividades já organizada que incluem cavalgadas e trekkings. O hotel é um convite para horas de amor, ócio e preguiça, mas vale se animar e explorar a região que é linda.

Se faz frio? Sim, afinal, estamos falando da Patagônia. No verão as temperaturas podem chegar a 20ºC, e no inverno a máxima é de 5ºC. O vento, muito comum na região, é que dá a sensação térmica mais cruel, por isso, usar roupas adequadas a temperaturas extremas é fundamental, tais como casacos corta-vento, polares e impermeáveis. Um cobertor de orelha também ajuda.

 

Para saber mais:

http://www.remota.cl/