Machu Picchu

Peru, Machu Picchu, Sumaq, montanha

O sítio arqueológico de Machu Picchu, no idioma quíchua Velha Montanha, fica no Peru, a 2.400 metros de altitude, no Vale de Urubamba. É considerado Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco e em 2007 foi eleito como uma das Sete Novas Maravilhas do Mundo. Conhecida como a Cidade Perdida dos Incas foi construída no século XV e redescoberta em 1911.

A melhor hora de chegar é no amanhecer. Ver os primeiros raios de luz iluminar as ruínas é emocionante. O clima é de mistério. Saia a percorrer os templos, praças, terraços, santuários, mausoléus e com a ajuda de um guia (fundamental) busque entender o significado que cada um deles teve para uma das principais civilizações pré-hispânicas.

O povoado base para chegar à Machu Picchu é Águas Calientes (uma hora de carro do sítio arqueológico). Fica ao lado do rio Urubamba, está cheio de barraquinhas de artesanato e tem alguns restaurantes charmosos que você vai descobrindo pelo caminho. Num primeiro momento ele parece demasiadamente anárquico, a medida que você se dispõe a desbravá-lo começa a mudar de opinião.

Um pernoite em Águas Calientes é necessário (para quem quer acordar as cinco da manhã, pegar uma van e chegar a Machu Picchu com pouca gente – altamente recomendável). Uma bela alternativa de hospedagem é o hotel Sumaq. Os quartos são super espaçosos e decorados no estilo andino. Percebe-se um cuidado em oferecer conforto no melhor estilo, são travesseiros com fronhas de fibra de alpaca e cobertas de lã de ovelha. Entre as amenietes destaque para o KIT costura (o mais lindo e caprichoso que já vi). Um pequeno SPA oferece massagem, sauna e jacuzzi com hidromassagem e cromoterapia.

Dica da Cris: o menu degustação do Sumaq assinado pelo chef Rafael Piqueras (um dos cinco tops do Peru) vai entrar para um dos melhores da sua vida, os ricos ingredientes peruanos provenientes da costa, selva e serra compõem um cardápio primoroso com destaque para os peixes, batatas, milhos e raízes. O ceviche (peixe cozido no limão) é sublime.

Salkantay: Mountain Lodges of Peru

Peru, Salkantay: Mountain Lodges of Peru

Muitos caminhos levam ao sítio arqueológico de Machu Picchu – escolha o seu: trem, Trilha Inca ou a de Salkantay. Todos partem de Cusco (Cidade Sagrada dos Incas), onde é necessário ficar duas noites para se aclimatar antes de chegar mais ao alto, afinal, Cusco já está a 3.500 metros de altitude.

Ficar nela só fará você descobrir que a cidade é demais, com noite badalada, boa gastronomia e hotéis bacanas, roteiros de compras e um banho de cultura e história. Uma vez pronto para seguir caminho você pode escolher ir de trem, são duas horas até Água Calientes (cidade base para o sítio), a Inca, que é a tradicional dormindo em barracas e cheia de gente (tipo mochileiro), e a de Salkantay, a mais bacana para quem gosta de caminhadas, natureza e não abre mão de luxo.

A paisagem é nada menos do que deslumbrante. A primeira parte é feita no meio da serra peruana, a segunda pela selva, em seis dias de caminhadas longe da civilização, no meio do nada. O diferencial são os lodges do Mountain Lodges of Peru – pelos 50 quilômetros há quatro hotéis de luxo a espera dos intrépidos viajantes. Todo percurso é feito a pé (mulas levam as malas e cavalos estão a postos para emergências). É incrível exercitar o corpo e a mente pelas trilhas que passam por subidas e descidas íngremes, atravessam vales e povoados, cortam rios e cachoeiras. Agora, mais incrível ainda é acabar o dia num dos lodges com jacuzzi aquecidas a 37ºC ao ar livre, camas superconfortáveis (descubra embaixo das cobertas bolsas de água quente), duchas quentes e fortes, gastronomia servida à francesa (balanceada por uma nutricionista que monta o cardápio em cima das suas escolhas). Guias especializados nos ensinam sobre a vida dos incas e cultura dos xamãs. Esta é uma viagem onde se tem um contato muito íntimo com a natureza, momentos de silêncio, amizades que nascem na trilha e um momento único para estar com seu amor. Amar nas noites frias, no conforto dos lodges e no meio da imensidão peruana, é inesquecível. A gente fica mais sensível depois de um experiência desta magnitude.

 

Para saber mais:

www.mountainlodgesofperu.com/

Cusco: Casa Andina Private Collection 

Peru, Cusco: Casa Andina Private Collection 

Cidade Sagrada. Assim os incas chamavam Cusco no auge do seu império no Peru, entre os séculos XI e XII. Hoje, Cusco aparentemente é a porta de entrada para o sitio arqueológico de Machu Picchu, uma das Sete Novas Maravilhas do Mundo. O que logo se descobre é que Cusco sozinha segura uma viagem. Inclusive o trio: Cusco + Trilha de Salkantay (veja capítulo 52) e Águas Calientes (capitulo 50) são uma viagem e tanto! Então você descobre que ela tem uma vida noturna das mais agitadas e divertidas, com gente de todas as partes do mundo, que a gastronomia é de comer de joelhos (anote aí restaurantes imperdíveis: Limo, Chicha, Fallen Angel). E também que durante o dia você tem alguns séculos de história dos incas e dos espanhóis para visitar.

Logo vai saber que foi a pólvora a pôr fim a uma das civilizações que nos surpreendeu pela arquitetura. Cusco é uma cidade com ruas estreitas e feitas de pedra, calçadas mais estreitas ainda (só passa uma pessoa por vez), muitas ladeiras e uma praça central, La Plaza de Armas, onde está a catedral. Dentro das janelinhas, nas fachadas coloniais, estão endereços gastronômicos de peso, bem decorados, modernos, onde a noite acontece (começa ali). Há diversas lojas de artesanato, roupas de lã de alpaca e vicuña (lãs nobres). Os turistas se veem encantados com as mulheres e crianças trajadas com suas vestimentas coloridas e saem a disparar fotos, que são devidamente cobradas. Sim, elas já aprenderam que a curiosidade alheia pode render uns solis (moeda local).

O fato de Cusco estar a 3.500 metros de altitude pode gerar algum mal-estar nas primeiras horas, então beba muita água, busque descansar que logo o corpo acostuma. Sugestão: veja o pôr do sol de cima da fortaleza de Sacsahuamán, o templo sagrado. A foto deste capítulo foi feito de lá (use uma teleobjetiva). É lindo ver Cusco ser pintado de dourado com a luz do entardecer. Depois desça, desfrute da noite e fique hospedado no Casa Andina Private Collection, um hotel charmoso e confortável.

 

Para saber mais:

www.casa-andina.com/

Aguas Calientes: Sumaq Hotel

Peru, Aguas Calientes: Sumaq Hotel

A cidade de Aguas Calientes, na beira do rio Urubamba, é mesmo surpreendente. Ela é base para quem vai ao sítio arqueológico de Machu Picchu, uma das Sete Novas Maravilhas do Mundo, o vale perdido dos Incas.

Ok, ao chegar nela, você pode até pensar que eu enlouqueci: numa primeira mirada a cidade não tem nada de bacana, ela se limita a uma rua, uma feira cheia de barraquinhas de artesanato e lá pelas tantas se vê um restaurante transadinho aqui, um bar que parece bem maneiro acolá, e quando você viu, gostou.

Ela vai te agradar mais do que imagina. A primeira razão para ficar hospedada nela é que você pretende acordar bem cedinho (leia-se às 5 da manhã) para visitar Machu Picchu antes de o sol nascer.

É nesse lugar que está o Sumaq Hotel. Ao entrar você logo percebe que passará uma noite de rei: o quarto, além de grande, é bem decorado no melhor estilo andino e tem todo o conforto: cama king size, muitos travesseiros com fronhas de fibra de alpaca e cobertas de lã de ovelha – humm, dá para ir a Machu Picchu, voltar e ficar umas horas namorando neste ‘camão’. No quarto também tem banheira, toalhas grandes e fofinhas. Observe o kit de costura e as demais amenidades (nunca vi nada tão caprichoso e com qualidade).

E tem mais: o spa oferece massagem, sauna e banho de imersão numa jacuzzi com hidromassagem e cromoterapia. Mas o melhor mesmo vem com a gastronomia gourmet, preparada pelo chef Rafael Piqueras (um dos cinco melhores do Peru), que assina o menu degustação. Bem, daí em diante prepare-se porque é uma profusão de sabores em pratos preparados com delicadeza, ressaltando os ricos ingredientes peruanos provenientes da costa, selva e serra: peixes, batatas, milhos e raízes. Prove e se apaixone pelo ceviche. Atire-se à gula, leve junto seu amor. E depois vá dar uma volta pela cidade (ao lado) e certamente você vai encontrar animação – isso se lhe restarem forças…

 

Para saber mais:

www.sumaqhotelperu.com